+

Departamento de Música

História do Departamento de Música

A partir da década de 70, a Universidade Estadual de Maringá (PR) vem se empenhando na implantação de cursos em Artes, mais especificamente em Música. Em 1973 foi criado o Coral Universitário, um Órgão Suplementar da Reitoria, atualmente vinculado à Diretoria de Cultura. Este Coral gerou uma demanda para aprimoramentos teórico-musicais que possibilitou, no final dos anos oitenta, a criação da Casa da Música, e esta por sua vez ficou ligada à Diretoria de Promoção e Difusão Cultural.

Inicialmente, o objetivo primordial da Casa da Música foi o de promover cursos de extensão voltados para a formação musical básica da comunidade local. Constava da lista de cursos oferecidos, à época, o canto coral, o violão, o harmônio, a flauta doce, a flauta transversal, o piano, o violino, o saxofone e a teoria musical.

Em decorrência do trabalho desenvolvido pela Casa da Música, outros passos importantes foram dados. Em 1994 implantou-se o Curso Técnico em Música, reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação, sob o Parecer nº 1771/2001, nas habilitações de Técnico em Instrumento/Canto e Técnico em Musicalização.

Tem-se, entre a implantação do curso Técnico em Música até seu reconhecimento em 2001, a criação da Escola de Música da UEM, em 1996, vinculada à Pró-Reitoria de Extensão e Cultura, juntamente com um corpo docente que atendia às disciplinas de Instrumento (teclados, sopros, cordas e percussão), de Canto, de História da Música, de Percepção e Teoria, de Estruturação Musical, entre outras.

O desenvolvimento da Escola de Música em conjunto com toda a atividade artístico-musical fomentado pelos órgãos de apoio à arte da Universidade culminou na constituição do Curso de Graduação em Música da UEM, criado em 2002, a partir de estudos realizados pela Comissão nomeada pela Portaria 011/2000-PEC nomeada pelo Prof. Dr. Osvaldo Hidalgo da Silva da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura, para elaboração do Projeto de Criação e Implantação do Curso de Graduação em Música. A Comissão foi integrada pelos seguintes professores: Bernhard Fuchs, presidente, Maria Goreti Pellacani e Solange Costa de Freitas da Escola de Música, José Carlos Gimenes do DHI e Regina Taam Kosinski de Cavalcanti do DTP. O Prof. Hideraldo Luis Grosso integrou a Comissão posteriormente nomeado pela Portaria 005/2001-PEC.

O Conselho de Ensino e Pesquisa por meio da Resolução n. 114/2002-CEP do dia 27 de junho de 2002, na gestão da reitora Neusa Altoé Porto e de José de Jesus Previdelli, vice-reitor. aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Música nas habilitações em Bacharelado e Licenciatura em Educação Musical. Para o Bacharelado além do Canto forma previstas as seguintes áreas: 1. Cordas arcadas: Violino, Viola, Violoncelo, Contrabaixo; 2. Cordas dedilhadas: Violão; 3. Teclas: Cravo, Piano; 4. Madeiras: Flauta Doce, Flauta Transversal, Clarinete, Oboé, Fagote; 5. Metais: Saxofone, Trompete, Trompa, Trombone; 6. Percussão: Percussão. A implantação das habilitações seria realizada de forma progressiva, tornando o Curso de Música da UEM uma referência no Estado do Paraná e no país.

No mês de julho foi realizado o primeiro vestibular de ingresso no Curso e a seleção dos professores colaboradores. O DTP - Departamento de Teoria e Prática da Educação tendo como chefe o Prof. João Pappa hospedou o recém criado Curso de Graduação em Música. O Prof. Ms. Bernhard Fuchs, foi nomeado primeiro coordenador de Colegiado do Curso de Música atuando com a nova equipe de professores na implantação do projeto pedagógico do Curso de Música. Como não havia espaço físico para o funcionamento do Curso foram destinadas algumas salas no CTM – Centro Tecnológico de Maringá para o início das aulas.

No ano de 2003, o governador eleito Roberto Requião tentou fechar o Curso de Música, criando uma série de empecilhos para o seu funcionamento, inclusive proibindo a não realização de um dos vestibulares. No entanto, o esforço da equipe de professores, da comunidade universitária e da comunidade maringaense permitiu reverter a situação obtendo, entre outros, 10 mil assinaturas de apoio em de dez dias, encaminhado à SETI – Secretaria de Estado da Ciência , Tecnologia e Ensino Superior solicitando a manutenção do Curso de Música. Como o Governo do Estado poderia fechar o Curso de Música numa cidade conhecida como cidade canção? Foi um dos principais argumentos utilizados na defesa e nas negociações com as autoridades.

Depois das intempéries sofridas o curso de reestruturou em tem ampliado de forma expressiva o mercado de trabalho musical na cidade e na região. O Projeto Guri, sediado na cidade de Maringá, conta dentro de seu quadro de instrutores com alunos da Graduação em Música da UEM. Os alunos da Graduação em Música da UEM também têm realizado inúmeros concertos na cidade de Maringá e região, participando de aberturas de semanas temáticas, simpósios de pesquisa, aberturas de congressos, bem como o projeto regular de concertos “Projeto Convite à Música” promovido pela Secretaria de Cultura da Prefeitura Municipal de Maringá, contribuindo para sua formação profissional como performers e aliando a produção artística proveniente da graduação em música da UEM à comunidade acadêmica e regional.

Vale ressaltar que atualmente a Graduação em Música da UEM conta com parceiros internos e externos à Universidade, que contribuem para seu funcionamento, dos quais podemos destacar: FADEC – Fundação de Amparo ao Desenvolvimento Científico, Anfiteatro Ney Marques, Auditório do Nupélia, Teatro Oficina, Auditório do CCH, no interior da Universidade, disponibilizaram locais apropriados para a realização de concertos e simpósios. Ainda, parceiros externos, como a Prefeitura Municipal de Maringá e a Fundação Tecnópolis. Reafirmando a parceria com a Prefeitura Municipal, com a qual inúmeros concertos foram realizados em teatros como o Calil Haddad e o Cine Plaza. Outro importante espaço da Cidade de Maringá, no que tange à produção artística e de pesquisa, é a Fundação Cultural Luzamor, com a qual a Graduação em Música da UEM contou como parceira na realização de concertos de professores e alunos e na realização do I, II e III Encontro de Pesquisa em Música da UEM nos anos de 2002, 2003 e 2006 e da I e II Semana da Música da UEM em 2004 e 2005. Devemos destacar que a realização de concertos se faz de fundamental importância e é imprescindível na formação do graduando em Música, tal qual prevê o Projeto Pedagógico do Curso de Música, tanto para as habilitações de bacharelado quanto para a de licenciatura.

Histórico Da Primeira Reformulação Do Projeto Pedagógico Inicial Do Curso De Graduação Em Música Realizada Em 2004

No dia 12 de agosto de 2004, o Prof. Esp. John Kennedy Pereira de Castro, Coordenador do Curso de Graduação em Música e o Prof. Ms. Bernhard Fuchs, vice-coordenador, reuniram-se com a Profª Drª. Sônia Aparecida Lopes Benites, Pró-Reitora de Ensino, onde foi solicitado que o Projeto Pedagógico do Curso deveria ser reformulado, de acordo com as orientações da SETI.

A primeira reunião realizada com os professores do curso ocorreu no dia 16 de agosto de 2004, no Centro Tecnológico de Maringá. Como pauta, as discussões sobre as necessidades de aprimoramento do currículo vigente. Os professores do curso iniciaram os trabalhos sobre a readequação do Projeto Pedagógico com a discussão do número de vagas no Concurso Vestibular 2005 e solicitação de contratação de professores.

No dia 17 de agosto, foi protocolado o Ofício nº 009/2004-MUS, com as decisões e orientações dadas na reunião de 12 de agosto de 2004.

No dia 19 de agosto, houve uma reunião extraordinária com o Prof. José Tarcísio Pires Trindade, Chefe da Coordenadoria do Ensino Superior – SETI, que recebeu o plano de trabalho dos professores do curso, propondo a reformulação do Projeto e solicitação de orçamento, o que veio ampliar os trabalhos, a fim da aprovação e viabilização do curso.

No dia 20 de agosto, foi agregada ao grupo de trabalho a Profª Drª Fátima Maria Neves, do Departamento de Fundamentos da Educação. Iniciou-se a discussão sobre os conteúdos básicos e específicos de cada habilitação (licenciatura e bacharelado). Verificou-se a adequação e viabilidade dos mesmos e condensação dos conteúdos. Os professores John Kennedy Pereira de Castro e Bernhard Fuchs formaram uma frente política em busca de apoio. Reuniram-se com a Profª Solange Costa de Freitas, Chefe da Escola de Música, para coleta de dados sobre o histórico da escola, após reuniram-se com o Prof. Dr. Mário Luiz Neves de Azevedo, Diretor do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes e Prof. Dr. Lúcio Tadeu Mota, vice-diretor, buscando apoio entre as negociações com a Prefeitura Municipal de Maringá. Foi solicitada a portaria de nomeação da comissão de reformulação do Projeto Pedagógico.

A Portaria nº 015/2004 do Departamento de Teoria e Prática da Educação, datada de 23 de agosto de 2004, nomeou a Comissão de estudos para a discussão de novas propostas curriculares para o Curso de Graduação em Música da Universidade Estadual de Maringá, sendo constituída pelo Prof. Esp. John Kennedy Pereira de Castro (presidente), Prof. Ms. Bernhard Fuchs, Prof. Ms. Luís Felipe de Oliveira, Prof. Ms. Rael Bertarelli Gimenes Toffolo, Profª Ms. Maria Mati Sakamoto, Profª Ms. Vania Aparecida Malagutti da Silva Fialho, lotados no DTP e pela Profª. Fátima Maria Neves, lotada no DFE. Neste dia, a comissão foi dividida em dois grupos de trabalho: 1) frente política e 2) frente pedagógica. Deram continuidade as tarefas elencadas a cada equipe. À noite, houve a elaboração do Ofício ao Prefeito Municipal solicitando apoio e parceria do município na viabilização do curso, quanto ao espaço e orçamento.

Os trabalhos da comissão apoiaram-se nos seguintes documentos: a) as orientações da SETI; b) os currículos dos cursos vigentes (Bacharelado e Licenciatura); c) as diretrizes curriculares nacionais para a área de música (aprovadas no MEC); d) o parecer sobre as diretrizes curriculares para os cursos de Licenciatura e os currículos de outros cursos de outras instituições.

Os membros da comissão elaboraram um plano de trabalho concentrado para discutir os documentos mencionados e estabelecer uma metodologia para a organização da re-adequação do Projeto Pedagógico.

Várias discussões ocuparam a reunião a partir das propostas apresentadas, permeando questões referentes aos seguintes tópicos:

Perfil do profissional que se pretende formar na UEM;
Eixos temáticos (formação musical, formação pedagógica, teoria e prática da música);
Tempo de duração das disciplinas e organização curricular;
Organização de conteúdo básico em música consistente e viável para as habilitações oferecidas.

No dia 24 de agosto de 2004, o coordenador e vice-coordenador do curso, reuniram-se com o Dr. Alaércio Cardoso, Chefe de Gabinete da Prefeitura Municipal de Maringá, solicitando apoio na viabilidade do curso. Foi solicitado ao curso, um ofício com os dados técnicos do processo a fim de que a Prefeitura Municipal interceda e seja parceira, frente ao Governo do Estado. Logo após, visitaram a Profª. Maria Albany Pereira de Souza, Secretária de Educação do Município, que formataria em documento seu apoio ao curso. Certificou a extensa necessidade do profissional de educação musical na rede de ensino pública do município e disponibilizararia dois espaços (escolas) para atuação dos estagiários de licenciatura. Em seguida, os professores do curso, dirigiram-se à Secretaria de Cultura do Município que também redigiria um documento disponibilizando espaços e apoio ao músico bacharel em seus projetos culturais. À noite, fase de conclusão e formatação do Projeto, restando as ementas das disciplinas dos componentes curriculares para a manhã do dia 25.

No dia 25 de agosto iniciaram-se os trabalhos de conclusão das ementas do Projeto, bem como a revisão e formatação geral para a apreciação e aprovação do Departamento de Teoria e Prática da Educação (DTP), Colegiado do Curso de Música (MUS) e Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEP) e, após a aprovação nestas instâncias o Projeto fora encaminhado à SETI.

Uma das promessas de campanha da atual Reitoria foi a de trazer o curso de Música para dentro do Campus-UEM. Dessa forma, foi reformado e adequado o Bloco 08, o qual abriga atualmente o Curso. Embora o espaço seja insuficiente para as atividades pedagógicas, científicas e de pesquisa, há salas de aula, sala para a chefia e coordenação do colegiado de curso, sala para a Secretaria e uma sala de professores que também serve de almoxarifado. Uma sala para o Laboratório de Educação Musical e outra para o Laboratório de Produção Sonora.

Em dezembro de 2007 foi criado o Departamento de Música. Coube ao Diretor do CCH, convocar a primeira reunião para definir os professores a assumirem os cargos pró-tempore. Dessa forma, assumiu a chefia a Profª Ms. Vania Aparecida Malagutti da Silva Fialho e tendo como chefe-adjunto Prof. Ms. Rael Bertarelli Gimenes Toffolo.